segunda-feira, 4 de outubro de 2010

As origens do comportamento

Escrevo esse post inspirado por um comentário realizado pelo meu amigo Daniel Gontijo (http://danielgontijo.blogspot.com/) e também com o intuito de complementar minha postagem anterior (http://cardinalismo.blogspot.com/2010/08/explicacoes-historicas-proximas-e.html).

-------------------------------------

Seremos capazes de melhor explicar o comportamento humano a medida em que avançam os estudos da Fisiologia (incluindo aí as ciências do cérebro), das ciências relacionadas a Etologia e da Análise do Comportamento (incluindo também a análise de práticas culturais).
No que diz respeito as ciências do cérebro, o desenvolvimento de novas tecnologias tem nos levado a avanços nunca antes imaginados, e a antiga definição filosófica do conceito de "mente" vem perdendo espaço para uma definição mais moderna: a mente é “o que o cérebro faz”.

Os fenômenos neurofisiológicos relacionados a eventos privados (subjetivos) como memória, crenças, sensações de tristeza, dor, alegria, etc. estão pouco a pouco sendo melhores compreendidos.

Do ponto de vista da Análise do Comportamento porém, é necessário fazer uma importante ressalva:  todo esse conhecimento acumulado a respeito do funcionamento do cérebro, por si só, não nos fornece uma explicação adequada sobre as origens do comportamento. O que "o cérebro faz" não é um início.


Para melhor exemplificar o argumento:
João pega um ônibus todos os dias para comprar pão. Poderia-se explicar esse comportamento dizendo que João pega o ônibus todos os dias pois possui a crença de que a padaria estará lá, com pães recém saídos do forno. Podemos ser ainda mais econômico na explicação, e dizer que João pega o ônibus simplesmente porque tem vontade.
Atualmente, é possível até mesmo identificar quais são os padrões do funcionamento cerebral quando essa "crença é colocada em prática", ou seja, quando João sai de casa, se dirige ao ponto de ônibus, adentra o veículo, etc.
 
Por mais impressionantes que seja essa tecnologia, os "estados neurofisiológicos imediatamente determinantes do comportamento" identificados pela neurociência tem pouco poder explicativo quando a questão em jogo é a origem do comportamento, pois a própria origem do padrão neurofisiológico presente naquele momento precisa também ser explicada, e ela é necessariamente histórica.

O mesmo se dá com explicações que utilizam-se dos conceitos de crença e vontade. A origem do comportamento não será adequadamente explicada até que a própria "crença" ou "vontade" tenha sido explicada. Um modelo explicativo histórico se faz necessário para compreender os determinantes do comportamento (vide post anterior).

Volto portanto a reafirmar a importância dos estudos das ciências do cérebro para a compreensão do fenômeno comportamental como um todo, desde que se tenha a consciência de que o as origens do comportamento não serão encontradas no próprio cérebro. Estudar o cérebro é fazer um recorte explicativo, e sem o auxílio de uma ciência histórica do comportamento caíremos no mais profundo reducionismo.

Da mesma forma que o modelo de seleção por consequencias explica a origem das espécies (e a palavra chave no livro de Darwin era "origem"), ele se propõe a explicar as origens dos comportamentos. Explicar a origem do comportamento a partir de "crenças" ou "padrões neurofisiológicos" é o mesmo que recorrer a um Deus criador enquanto iniciador ou designer das espécies: teremos sempre que explicar Deus (e seus motivos) antes de mais nada!

5 comentários:

  1. acredite voce ou nao, eu acho que entendi.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto, meu amigo Ramon. Acho que os psicólogos de forma geral concordam que precisamos recorrer a eventos passados para compreender a origem dos comportamentos. Mas uma boa explicação do comportamento, como você afirmou, deve levar em conta as ciências do cérebro. Veja que há duas coisas em questão: explicações para a origem e para o comportamento "como um todo" (que demanda mais de um nível de análise).

    Em breve publicarei um texto tratando sobre mais ou menos isso.

    Obrigado pela consideração. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Concordo Daniel !
    A palavra chave é complementaridade. De forma alguma uma coisa exclui a outra.

    ResponderExcluir
  5. As memória de nossa vida nada mais são do que reflexos das vibrações energéticas captadas por nossa almo ao longo de nossa existência.

    Tenho para mim de que a crença em algo é instrínseco ao padrão da aura de cada pessoa.
    Uma pessoa com a alma perturbada possui uma aura mais escura e esta escuridão trás consigo crenças que interferem na vida de um ser negativamente.

    O nosso cérebro nada mais é do que um interpretador de frequências das ondas emitidas por nossa alma. Ele é a nossa interface entre o mundo físico e o mundo espiritual. Os estudos desta interface são muito importantes, mas não eliminam a necessidade de se estudar o elemento mais intrínseco de cada ser, que é a sua alma.

    Um abraço do amigo Laplace.

    ResponderExcluir